Casa pós-quarentena: 5 tendências que vieram para ficar

 

Não há como negar que esse período de distanciamento social nos fez reconsiderar a maneira como vivemos e construímos nosso futuro. Todos fomos impactados pelos efeitos da pandemia do COVID-19, e à medida que vamos nos adaptando a uma permanência maior em casa, a funcionalidade e a limpeza de cada espaço são colocadas em foco.

Com as pessoas confinadas, as casas ganharam novas funcionalidades e passaram a ser espaços de moradia, lazer, entretenimento, academia, trabalho, escola e até consultório de terapia. Muito se tem pensado em como as residências podem se modificar de maneira a atender as novas demandas dessa era, que chegou de forma acelerada e sem precedentes.

Nesse momento, a arquitetura e o design de interiores têm um papel fundamental, contribuindo para que possamos nos adaptar de maneira mais confortável a essa realidade. Com base nas preocupações e necessidades que surgiram durante a pandemia, reunimos uma lista com 5 tendências que devem se tornar padrão nas residências após o COVID-19 . Confira!

1.    Ambientes flexíveis e adaptáveis

As conexões que temos com nossas casas – tanto físicas quanto emocionais – nunca foram tão grandes, e isso pode persistir ou até mesmo se intensificar após o fim do isolamento. Esse processo nos levou a refletir sobre diversos aspectos da nossa vida, incluindo consumo, sustentabilidade e vida social.

Quanto maior a variedade de atividades realizadas em casa, maior também será o grau de flexibilidade e adaptabilidade. Os espaços se tornam multifuncionais, ou seja, um mesmo cômodo poderá ser utilizado para trabalho, descanso, atividade física e entretenimento. Os designers já começaram a explorar abordagens para essa possibilidade. Uma delas é a utilização de paredes e telas ajustáveis ​​que podem, por exemplo, transformar um apartamento de plano aberto em vários espaços separados.

 

2. Home Office permanente

De um dia para o outro milhões de pessoas se viram obrigadas a reinventar seu ambiente de trabalho e adotar o home office. O momento serve de termômetro para a quebra de barreiras e diminuição de preconceito em relação ao trabalho remoto. A transformação no modo de trabalhar, provavelmente será o efeito mais sentido no mundo corporativo.

As pessoas perceberam que ambientes improvisados e desorganizados podem impactar negativamente na produtividade, e o espaço de trabalho, mesmo em casa, precisa ser tratado com importância e organização correta para que seja funcional e confortável. Afinal o que parecia ser algo temporário, vai ganhando contornos de definitivo à medida que empresas identificam o home office como melhor solução para inúmeros postos de trabalho.

 

3. Higiene da Entrada

Em países asiáticos a presença de uma sapateira– inclusive para guardar os sapatos dos visitantes – já era uma prática bastante comum e que pode ser incorporada por todos nesse momento. Para manter as casas seguras e limpas, as entradas se tornarão espaços de transição claramente definidos, onde se pode tirar os sapatos, pendurar as jaquetas e higienizar as mãos antes de entrar.

 

4. Cozinhas Funcionais

Com as pessoas mais dispostas a preparar suas próprias refeições, a importância das cozinhas no dia a dia também aumentou. Segundo alguns especialistas, as despensas se tornarão cada vez mais necessárias, já que a tendência é diminuir as idas ao supermercado, aumentando assim a prática de estocar alimentos. Desta forma, no futuro serão priorizados os armários para este fim, que estavam esquecidos diante de uma rotina de alimentação fora de casa.

A tecnologia na cozinha também será cada vez mais explorada, especialmente devido ao aumento da ideia de mãos livres. Isso significa atividades controladas por aplicativos e voz que poderão ativar, por exemplo, luzes, torneiras e eletrodomésticos.

5. Ventilação e Luz Natural

A incidência de luminosidade natural nos lares também passou a ter mais importância para os moradores, com a valorização ainda maior de áreas abertas e solares que possibilitem o cultivo de hortas, jardins ou plantas.

Outro fator que ganhou bastante relevância é a ventilação. É fundamental que todos os cômodos tenham janelas ou entradas de ar, pois já se comprovou cientificamente que manter a casa arejada ajuda a evitar a proliferação de vírus e bactérias.

E você, tem alguma nova prática que adotou em casa durante a quarentena e pretende manter mesmo com o fim da pandemia? Compartilhe conosco.

Gostou? Compartilhe!